Escrito por

Humanidade, salve as abelhas, salve a natureza!

​ Luciana Neder, Artigo, Cultura| Vistas: 215

Essa é uma obra de expressão, daquilo que é divino: a natureza e os polinizadores. Um conjunto de vidas, que compartilham do espaço no planeta Terra, visam retirar os seus recursos naturais.  É preciso reagir prontamente ao aviso: Humanidade, salve as abelhas, salve a natureza para proteger e defender. Isso quem reconhece, que a vida das abelhas impacta nas nossas. É preciso reconexão com a natureza, é preciso tê-la como nossa parceira. As abelhas, são um exemplo, de organização social altamente bem sucedida. Há uma incrível colaboração entre elas. Trabalham com divisão de tarefas e em harmonia para o bem estar da colônia. Se comunicam através de toques, movimentos, sons, cheiros e dançam informando a localização exata de néctar ou pólen. Uma sociedade inteligente e criativa. A apicultura e a agroecologia, soma em biodiversidade. Exemplos disso, em Leopoldina MG, é Gabriel Barbosa e Janice Ventorim, engenheiros por formação versus agrônomos por amor e Feliciano José Barbosa, 82, que decidiu ser apicultor. Feliciano tem uma sábia história de vida. Não teve medo de mexer com abelhas naquele tempo que quase ninguém sabia ensinar. Ele teve fé, buscou ajuda numa universidade, se capacitou e se estabelece, produzindo mel de qualidade, a mais de 50 anos. Interessante é que Feliciano é estudioso, traduz livros de outros idiomas, para aprender mais e mais sobre as abelhas. Assim como ele, um cientista ao observar o comportamento das abelhas, lhe conferiu o Prêmio Nobel. O amor às abelhas é uma arte milenar. Há referências nas artes, na literatura, nas jóias e até foi incluído o bordado de abelhas, no brasão militar do líder, Napoleão Bonaparte, que ao se coroar imperador da França, em 1824, vestiu um manto imperial também bordado com abelhas. Há muitos outros exemplos da importância dada pelos homens às abelhas. Falo de uma sociedade admirável, do trabalho delas, de sua capacidade, de um apicultor e dessa arte incrível, para voltarmos o olhar para a natureza e tê-la como nossa parceira. Vamos mantê-las nos nossos jardins. Já pensou se elas desaparecessem da face da terra? Nós também desapareceríamos. Sem abelhas, sem alimento. Oh, Humanidade! Quantos trabalhos de publicações serão precisos para divulgarem que acabem com o uso de agrotóxicos e inseticidas nas plantações que reduzem em até 80% o número de visitas dos agentes polinizadores? Pólen de flor contaminada por inseticida, produz um mel de baixa qualidade. Vamos de boas práticas agrícolas, algumas tão comuns a todas as culturas. Como por exemplo: manter a vegetação natural próxima ás roças, fazer plantios consorciados, preservar fontes de águas e evitar desmatamentos. São ações simples e práticas amigáveis que favorecem a visita dos agentes polinizadores, com a função garantidora da reprodução vegetal.  Se as abelhas prestam serviços á natureza e são de importância vital no planeta, vamos dar créditos a elas. Sejamos um brasileiro que reconhece a importância da polinização.

Uma resposta para " Humanidade, salve as abelhas, salve a natureza! "

  1. Márcia Badaró disse:

    Bacana, Luciana!Parabéns!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *