Escrito por

Entrevista com Cândida Maria, por Luciana Neder.

Entrevista| Vistas: 135

É a oitava edição da coluna É Só Sucesso, do jornal O vigilante. Precisamos celebrar o setembro que chegou. Quer motivo melhor para uma publicação? Com ações próprias de alegrias e de sofrimentos purificantes, enquanto caminhamos, reiniciamos a cada dia, a celebração das nossas vidas. Quem tem o amor á vida, tem o coração florido. Ela é uma flor de mulher,  cuja vida é um conceito muito amplo e admite diversas definições: a vida é uma arte presente em cada ser, é sensibilidade, sobretudo é bela. Em entrevista, a fusão de vida e amor: Cândida Maria Côrtes Gomes Botelho.

ENTREVISTA

LN: Quem é Candida Maria?

Ela é a resposta de Deus coroando o amor de Plóbio, um profeta com grande sabedoria e Albina Gomes Côrtes. Nasceu em Leopoldina em 1934, neta do comerciante português, Francisco Gomes e Conceição Leitão Gomes. Seu nome é uma homenagem a madre Cândida Maria de Jesus, fundadora do Colégio Imaculada Conceição, no Brasil, que muito contribuiu pela educação.  Ainda menina foi estudar no Colégio Imaculada Conceição de Belo Horizonte, onde se dedicou completamente aos estudos. Essa Cândida Maria , de 84 anos, faz uma bela caminhada nessa vida e repete sempre: a vida é bela!

LN: Os seus quinze anos…

Sua  juventude foi marcada por momentos de grandes comemorações e um desses, foi o seu aniversário de 15 anos comemorado com  requinte. Teve um inesquecível bolo de corbélia e convidados que enriqueceram este momento. Sonhadora, autêntica, ás vezes sensata, forte e determinada, ela é guerreira porque tem absoluta certeza de que é filha de Deus.

LN: Como você fala de amor verdadeiro?

Ela foi correspondida pelo seu grande amor, Antônio Capdeville Botelho, Toninho. Tem dois filhos Patrícia e Rogério, Antônio Júnior (in memorian), 8 netos e 4 bisnetos.

LN: Como foi brilhar na profissão?

Mesmo formada e recem-casada, ela teve total apoio do marido para atuar na sua profissão. Seu primeiro trabalho realizado foi uma especialização na Sociedade Pestalose do Brasil, pela fundadora e mestra Helena Anti Poff, vinda da Rússia, através do grande governador de Minas, Milton Campos. Ela fez especialização em 54 serviços, sendo 3 em países nórdicos e 12 em países europeus, com o objetivo de cuidar dos seus pacientes. Tudo começou dentro do seu lar. Ela cuidou de excepcionais juntos com seus filhos. Sempre zelosa com seus filhos do coração, fundou o grandioso Instituto Paissandú, que foi responsável pela abertura de mais outras duas instituições famosas, o Instituto Corcovado, que atendia portadores de deficiência em paralisia cerebral e Instituto Melanie Kleine, que atendia jovens portadores de desvios de conduta. Lutou muito para manter os institutos pois os pacientes eram todos internos.

LN: Uma história

Ela tem muitas, muitas histórias. Uma delas foi ir ao Programa do Silvio Santos, na Porta da Esperança, ganhar um grande forno profissional de assar pães.

LN: Se pudesse…

Ela colocou muitas coisas em suas mãos e as perdeu todas, mas tudo o que ela colocou nas mãos de Deus, ganhou e ainda possui.

LN: Felicidade é…

Ser

LN: Maior qualidade

Compreender que nem todos vêm ao mundo para viver o seu viver.

LN: Livro

Ela é eclética, seu livro favorito é Robson Crusoé de Allan Poe. É um livro infantil, mas o conteúdo  faz crescer em todas as idades.

LN: De onde vem a sua força?

Vem das palavras: “Olhai os lírios dos campos, eles não plantam e nem fiam, mas nascem, vivem e embelezam a vida e na sua grandeza em vigor, entoam seu canto de louvor ao senhor da criação.” Sua força vem também, de orar como se tudo dependesse de Deus e de agir como se tudo dependesse nós.

LN: Frase secreta que aplica.

É preferível rezar com o coração sem encontrar palavras, que praticar palavras sem adesão do coração. (Gandhy)

LN: Se você fosse realizar um sonho agora, qual seria?

Ela acabaria com as guerras e conseguiria a paz.

LN: Música

Aprendeu bandolim e piano, quando criança, e acordeon quando jovem, além da música clássica, no colégio com as madres. Um fato interessante é que as notas musicais lhe foram apresentadas em forma de figuras. A nota musical dó, era a figura de um doce; ré, era a figura de relógio; mi, era a figura do gatinho Mimi; fa, era a figura de família; sol, era a figura de um sol; la, era a figura de laço; si, era a  figura da Sissi. Cantou em diversas serenatas (e recebeu muitas!)

LN: Rádio, experimentou?

Sim, assim que a Rádio Leopoldina foi inaugurada. Ela inaugurou o primeiro programa infantil na rádio, tocando acordeon com a locutora Aparecida Guimarães!

LN: Um lugar

No mundo há um lugar sagrado no Belém do Pará que ela visitou 4 vezes. Encantada com o círio de Nazaré onde viveu um dos momentos mais céu da sua vida. Nessas oportunidades, Deus fez por ela o que ela não pôde fazer sozinha. Deus, salvou a sua vida (sua sanidade) e a da sua  família.

                                                    Mensagem da colunista social em agradecimento:

                        “Cândida Maria, Tu és uma mulher de fibra. Parabéns. Leopoldina agradece.”

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *